Banner

Você está aqui:Home/Últimas Notícias/Profissão Atleta e o fator emocional: Leia a coluna desta sexta-feira por Marina Crovador
A+ R A-
19 Mai

Profissão Atleta e o fator emocional: Leia a coluna desta sexta-feira por Marina Crovador

  • Escrito por  Primeiro Round
  • Imprimir
  • E-mail
Avalie este item
(2 votos)
Profissão Atleta e o fator emocional: Leia a coluna desta sexta-feira por Marina Crovador Divulgação

A PROFISSÃO ATLETA E O FATOR EMOCIONAL (Por Marina Crovador)

Vivemos em uma época onde a maioria das pessoas dedica-se muito a vida profissional, homens e mulheres investem a maioria do tempo de seu dia a dia em prol do realizar-se profissionalmente. Ainda sim, a maioria destas pessoas tem hora pra entrar no serviço e sair, férias e finais de semana para relaxar. Com um atleta profissional nem sempre é assim.

Um atleta profissional lida diariamente com uma demanda de emoções diferentes: alimentação, treino físico diário, expectativas alheias e próprias, mídia, etc, são pequenos exemplos de tudo aquilo que eles devem suportar. E o que um atleta faz com tudo isto se não tem preparo mental?

Acompanhando os esportes, verifico que a mídia sempre aparece com uma critica relacionada ao emocional dos atletas, por exemplo quando um jornalista diz: “  Atleta não estava aparentemente feliz nas primeiras entrevistas, e agora não quis conversar com a imprensa demonstrando não saber lidar com as emoções”, ou ainda : “a atleta após perder a competição, não quis cumprir o protocolo e não falou com a imprensa”.

Outra situação rotineira no MMA é a prática de alguns atletas de “intimidação via rede social” onde um atleta tenta intimidar o outro, insultando o trabalho alheio e mais uma vez deixando de lado o bom “espírito esportivo”. Isto geraria uma enorme discussão, mas aqui só quero levar ao pensamento de que ser atleta envolve muito investimento: pessoal, financeiro, físico e principalmente emocional.

E como nossos atletas tem lidado com o fator emocional? Poucos realmente tem um trabalho efetivo com profissionais treinados para isto (psicologia esportiva), existem ainda aqueles que acham tudo isto besteira.

O principal fato é que não há como separar a emoção do comportamento humano, logo tudo o que fizermos será preenchido de emoção. Com o esporte não tem nada de diferente. Na quadra, no tatame ou onde mais o esporte venha a realizar-se a emoção sempre estará presente, agora dependerá do atleta (ou da equipe) escolher se esta presença será benéfica ou maléfica para seu desempenho esportivo.

Você já pensou como seria a vida de um atleta que estivesse preparado emocionalmente para as adversidades desta vida profissional? E como evitaríamos a exposição do atleta à doenças da mente, possibilitariamos a ele uma blindagem contra diversos aspectos rotineiros que poderiam lhe prejudicar?

Para finalizar meu texto, gostaria de deixar registrado meu reconhecimento por esta profissão, pela dedicação que todos os atletas profissionais ou àqueles que ainda estão iniciando, e dizer: Atletas, equipes, treinadores, incluam o treinamento mental em suas rotinas e usufruam dos beneficios de uma mente treinada para potencializar seu desempenho esportivo. Não percam mais esta “batalha” contra a mente.

Releia as colunas anteriores:

Mente Sã, Corpo São

O poder que possuo

Finalize suas escolhas


Sobre a autora:

Marina Crovador é bacharel em psicologia e especialista em psicopedagogia. Formada em Psicologia do esporte e Coaching de Desenvolvimento pessoal e Profissional. É proprietária da consultoria Crovador Mental Coach, onde presta serviços para atletas ou não atletas com foco em desenvolvimento de potenciais.

Comentários

Revista Digital

A Edição 26 da Revista digital da Primeiro Round trás uma matéria especial  com a votação dos melhores do Ano no Paraná. Acompanhe!

Filtrar notícias por data:

« Outubro 2017 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          

Blogs - Primeiro Round

 

 

  


Banner

Publicidade: